• Lucas Pereira

Governo do Estado faz parceria com multinacional para capacitar 6 mil jovens


Foto: Divulgação/Governo do Estado do Rio de Janeiro

Público-alvo serão jovens entre 17 e 22 anos que residam no estado do Rio de Janeiro, que concluíram o ensino médio em escola pública e buscam o primeiro emprego.

 

Em parceria com o Governo do Estado do Rio de Janeiro, a multinacional Procter & Gamble (P&G) vai investir R$ 5 milhões em um programa para formação de jovens no estado. A ação contará com o apoio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia e Relações Internacionais e o objetivo é ajudar a inserir cerca de 6 mil jovens no mercado de trabalho. O Instituto Proa, Organização Não-Governamental (ONG) que desde 2007 trabalha com jovens, também faz parte da iniciativa.


A medida vai priorizar jovens entre 17 e 22 anos, que residam no estado do Rio de Janeiro, que concluíram o ensino médio em escolas públicas e estão na luta pelo primeiro emprego. Os alunos contarão com mais de 100 horas de aulas em uma plataforma online e ainda terão orientação e apoio de tutores em encontros semanais ao vivo. Os interessados já podem fazer as inscrições, que duram até 2 de junho, por meio do site https://plataforma.proa.org.br/. As aulas começam no dia 5 de junho.


A meta é que ao menos mil jovens participantes possam ingressar em vagas de empresas parceiras do Proa em municípios do estado e na própria P&G, que possui três operações no Rio de Janeiro, com unidades em Seropédica e Itatiaia, além da capital.


Continua depois da publicidade

 

Os alunos selecionados vão ter acesso a um conteúdo inicial de cem horas básicas, com matérias relativas a autoconhecimento, projeto de vida, planejamento de carreira, raciocínio lógico e comunicação. Em uma segunda etapa do curso, as matérias serão mais técnicas e temas como vendas, análise de dados, administração, logística e marketing digital serão discutidos. Os conteúdos serão em formato online e de graça.


Quanto aos alunos que não puderem acessar o celular ou o computador, a ONG vai em busca de equipamentos com instituições que costumam realizar esse tipo de trabalho. Também devem ser distribuídos chips de celulares com internet para aqueles que não possuem acesso.


Fonte: http://www.rj.gov.br/

 





Conteúdo Publicitário