• Fernanda Calé

Vídeo mostra família desesperada pedindo por atendimento no Hospital Cardoso Fontes


Dona Evaldina e suas duas filhas. / Foto: Acervo pessoal.

Moradora de Rio das Pedras diz que já havia levado a mãe na unidade duas vezes mas não conseguia vaga para internar a idosa.

 

Na última terça-feira (05/10), Solange Silva, foi até o Hospital Federal Cardoso fontes, na Freguesia para levar sua mãe Evaldina Ferreira da Silva. A idosa de 73 anos tinha câncer em estágio avançado. Era a terceira vez que a família levava a idosa a unidade de saúde. Segundo a família, Evaldina precisava de uma internação urgente pois apesar de estar com câncer em estágio avançado, não conseguia fazer o tratamento pois ainda aguardava uma vaga para atendimento oncológico.

 

Continua depois da publicidade


 

Segundo Solange, sua mãe já havia ficado cerca de 17 horas esperando por uma internação no dia 28/09, uma semana antes do seu falecimento, e pediu para voltar para casa pois sentia muitas dores e não aguentava a espera:

"Minha mãe ficou lá, de 9h da manhã até às 2h da manhã numa cadeira sentada, sem eu saber notícias. Tinha que perturbar os guardas para saber uma notícia da minha mãe."

Segundo a família, a equipe teria dito que não havia leito para internar Dona Evaldina, e uma médica teria mandado a família levar a idosa para casa e orientado para que caso algo acontecesse Solange levasse a mãe novamente à unidade.

Atestado entregue a família no dia 28/09.

Segundo Solange, a família preferiu então levar Dona Evaldina para casa, mas o estado de saúde da idosa piorou e na semana seguinte, no dia 05/10, ela resolveu retornar a unidade com a mãe, que já estava bastante debilitada.


Ao chegar a unidade, com a ajuda de um funcionário, a idosa foi colocada em uma cadeira de rodas, e a família correu para tentar o atendimento já que Evaldina passava muito mal. Segundo Solange no local já haviam outras pessoas aguardando o atendimento, e pediram que a família da idosa preenchesse uma ficha. Foi nesse momento que uma mulher que também aguardava atendimento ficou indignada com a situação e iniciou a gravação de um vídeo.

 

Continua depois da publicidade



 

A filha da idosa disse que durante todo o tempo tentava sem sucesso conseguir o atendimento para a mãe, todo o sofrimento teria demorado pelo menos 15 min. A família tentou levar a idosa para outra ala da unidade, mas segundo Solange funcionários e médicos disseram que não poderiam atender pois não era o setor onde a idosa deveria estar.


A família afirma que ao voltar ao setor destinado a idosa, Solange tentou colocar a mãe encostada na parede na tentativa de deixar a idosa num local seguro e buscar ajuda, mas acabou percebendo que sua mãe já havia morrido. Solange disse que entrou em desespero, e após gritar os médicos apareceram. Segundo Solange a equipe tentou sem sucesso reanimar a idosa.


Veja o vídeo gravado no momento em que a família de Dona Evaldina pedia ajuda e o relato de Solange filha da idosa:


A Agência Lume pediu esclarecimentos ao hospital, perguntamos se a Dona Evaldina havia sido atendida antes de vir a óbito na terça-feira dia 05/10, e por que a idosa não pode ser internada. A direção do Hospital Federal Cardoso Fontes respondeu por meio de nota:


"A direção do Hospital Federal Cardoso Fontes (HFCF) informa que a paciente em questão deu entrada no Setor Emergência na última terça-feira (05/10), já em parada cardiorrespiratória, e foi prontamente atendida. A paciente era assistida em outra unidade de saúde, tinha diagnóstico de câncer avançado com metástase e já havia sido atendida diversas vezes na Emergência do HFCF para receber cuidados paliativos."


A filha de Dona Evaldina nega, Solange afirmou que sua mãe não foi bem assistida e que a idosa esperava entrar na fila do sisreg para ter algum tipo de tratamento, e que os atendimentos feitos era apenas paliativos.


Evaldina Ferreira da Silva foi enterrada ontem (07/10) no cemitério do Pechincha em Jacarepaguá . Dona Evaldina morou durante 70 anos na comunidade de Rio das Pedras. Ela deixa duas filhas e quatro netos e três bisnetas.

 




Conteúdo Publicitário