• IHBAJA

Tiradentes e a Baixada de Jacarepaguá



Por: Val Costa

Professor e pesquisador do IHBAJA

 


 

Joaquim José da Silva Xavier nasceu na Fazenda do Pombal, entre o atual município de Tiradentes e São João Del Rei, Minas Gerais. Tornou-se conhecido pela habilidade com que arrancava e colocava novos dentes feitos por ele mesmo, daí o apelido de Tiradentes. Além disso, pertenceu ao Regimento dos Dragões de Minas Gerais, ocupando o posto de alferes.


Tiradentes fez parte de um movimento, ocorrido no final do século XVIII, que pretendia proclamar a independência do Brasil frente à metrópole portuguesa. Por ser realizado na capitania das Minas Gerais, esse movimento recebeu o nome de Conjuração Mineira ou Inconfidência Mineira. A decadência da produção de ouro da região, a cobrança violenta dos impostos pela Coroa portuguesa e a independência dos Estados Unidos foram os fatores que motivaram os conjurados a se rebelarem contra Portugal. Militares, escritores, poetas, magistrados, sacerdotes e mineradores participaram ativamente desse levante. Tiradentes era a liderança de menor posição social dentro do movimento.


A rebelião eclodiria no dia da cobrança dos impostos, porém, em março de 1789, três integrantes do movimento traíram os conjurados e contaram sobre a conspiração para o governador da capitania: Visconde de Barbacena. As principais lideranças foram presas e conduzidas para o Rio de Janeiro, onde o processo se instalou.


Nessa ocasião, Tiradentes se encontrava no Rio de Janeiro, tendo, no dia 9 de maio de 1789, pernoitado em uma estalagem no Largo do Campinho¹, ponto situado na antiga Estrada Real de Santa Cruz. A estrada ligava São Cristóvão à fazenda dos jesuítas em Santa Cruz, sendo também utilizada pelos habitantes da região mineradora para chegarem até o Rio de Janeiro. Ele fazia a sua última viagem, no dia seguinte foi preso na Rua dos Latoeiros, atualmente Rua Gonçalves Dias. Tiradentes foi enforcado no dia 21 de abril de 1792 na atual Praça Tiradentes, no Centro. Seu corpo foi esquartejado, sua cabeça foi erguida em um poste em Vila Rica e seus membros foram colocados em postes no caminho entre Minas e Rio. Destruíram sua casa e jogaram sal sobre a terra, para que ali nem planta nascesse. Apesar disso tudo, não conseguiram matar a semente de liberdade que ele plantou.

 

O atual Largo do Campinho era um desvio existente na Estrada Real de Santa Cruz, onde os viajantes descansavam, deixando os animais pastarem em um pequeno campo que havia no local.

 





Val Costa é professor de Geografia e Membro do Instituto Histórico da Baixada de Jacarepaguá.

 



Conteúdo Publicitário