• Agência Lume

Subprefeitura de Jacarepaguá diz não ter projeto para construção de um camelódromo em Rio das Pedras


Protesto contra a demolição, em 2020 /Foto: Agência Lume

Comerciantes de Rio das Pedras esperam, há um ano, a construção de um camelódromo prometido pela Prefeitura do Rio, ainda na gestão de Marcelo Crivella.


Por: César Oliveira e Gabrielle Teles

 

Há um ano, a Prefeitura do Rio de Janeiro, por meio do programa Tolerância Zero, demoliu cerca de 200 imóveis à beira do valão da Areinha, em Rio das Pedras. Na época, a prefeitura na gestão de Marcelo Crivella informou que seria construído um camelódromo, atrás do mercado Supermarket, para realocar os comerciantes da comunidade. Procurada pela Agência Lume, a Subprefeitura de Jacarepaguá, agora com nova administração, respondeu sobre a situação:


A Subprefeitura de Jacarepaguá informa que não há, no momento, projeto para a construção de um camelódromo em Rio das Pedras. A promessa foi feita pela gestão anterior, que não realizou nenhuma iniciativa para concretizá-la.

A ação, que aconteceu ainda na prefeitura de Marcelo Crivella, alegava que as construções estavam em área de preservação ambiental, sendo proibida a edificação. Além das lojas, 30 casas foram derrubadas. Segundo o órgão, os moradores atingidos foram cadastrados no programa de aluguel social, cujo valor era de R$ 400,00. A operação, realizada em conjunto com as Secretarias de Fazenda, Conservação, Rioluz e Comlurb, pretendia diminuir as enchentes da região.




Diante do ocorrido, os moradores de Rio das Pedras que eram contra a proposta do programa, começaram um protesto na Avenida Engenheiro Souza Filho, principal via da comunidade. Houve um confronto com guardas municipais e bombas de efeito moral foram disparadas. O Corpo de Bombeiros também esteve no local para apagar os incêndios decorrentes do protesto.


As remoções aconteceram no dia em que a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou a pandemia de coronavírus. Na semana seguinte, o Rio de Janeiro estabeleceu medidas de restrição para evitar o contágio da doença. A partir desse período, houve aumento no número de desemprego e dificuldade de retornar ao mercado de trabalho.


Veja abaixo imagens do dia da demolição:




 



Conteúdo Publicitário