top of page
  • Foto do escritorGabrielle Teles

Mães enfrentam filas de espera em creches de Rio das Pedras


Na imagem podemos ver os pés de uma criança que está em pé em cima de um banco de madeira

Sem outras opções, muitas mães precisam deixar de trabalhar para cuidar de seus filhos.

 

Segundo a Secretaria Municipal de Educação, a espera por vagas em creches do município, que atendem crianças de 6 meses a 3 anos e 11 meses, é a menor desde que o sistema de matrículas foi implantado. Ainda assim, muitas mães de crianças em nossa região enfrentam as filas de espera há meses e até anos.

 
 

A demora atinge desde o desenvolvimento da criança até a vida profissional das mães, que precisam deixar seus empregos, pois não têm com quem ou onde deixar seus filhos no período de trabalho.


Juliana, de 37 anos, é moradora da Muzema, e após enfrentar a fila de espera, finalmente pensou que a permanência do seu filho na creche estava garantida. Mas, o EDI Professora Matilde Rosa Lopes De Araujo, endereçado no Itanhangá, funcionava apenas meio período.

“Quando consegui a vaga do meu filho foi de 7h45 às 11h40. Que tipo de mãe trabalha durante três horas? A gente necessita de uma creche para botar nossos filhos.”

A ausência de uma fonte de renda também impacta a vida das famílias, que precisam garantir o seu sustento.


“De dois anos para cá está muito difícil, pois não consigo tentar uma vaga no mercado de trabalho, porque não tenho estabilidade para deixar meu filho numa creche. Uma pessoa que paga aluguel... já tive depressão por causa disso, choro quase todos os dias, está muito difícil”, relata Juliana.


Esse é um problema que também afeta Vittorya, que está na fila de espera há 6 meses, e Evanessa, que busca uma vaga para o seu filho há dois anos, ambas de Rio das Pedras.

“Isso implica muito na minha vida porque não tenho como trabalhar, não tenho condições de pagar creche para duas crianças”, explica Vittorya, de 24 anos.

Apesar das crianças citadas nesta reportagem ainda não terem sido contempladas no sistema de matrículas das creches do Rio de Janeiro, a Secretaria Municipal de Educação informou que foram abertas 19 mil vagas desde o início da gestão, em 2021.


O órgão também disse que a convocação dos alunos pode acontecer a qualquer momento do ano, e que a vulnerabilidade social e área demandada são requisitos no critério de classificação.


A SME concluiu dizendo que a creches citada é de turno único, e que além delas atualmente, as unidades a rede dispõem de mais dois Espaços de Desenvolvimento Infantil na região o EDI Anna Maria Niemeyer e o EDI Professora Emília Maria.


A Agência Lume vai continuar acompanhando o caso.



Comments


Conteúdo Publicitário

bottom of page