• Fernanda Calé

BRT: Veja as medidas adotadas no primeiro dia de intervenção.


Prefeito Eduardo Paes em coletiva sobre intervenção. / Imagem: Live prefeitura do Rio.

Com decreto publicado nesta terça-feira (23), Prefeitura iniciou medidas para tentar resolver problemas do sistema de transporte.

 

A prefeitura do Rio de Janeiro deu início na manhã de hoje (23), ao processo de intervenção temporária na operação e gestão sistema BRT. A intervenção deve seguir até que uma nova licitação seja concluída e o serviço seja assumido por uma nova empresa. Enquanto o processo de licitação não é concluído, a prefeitura tenta resolver os muitos problemas do sistema de transportes.


"Nós não vamos ter um milagre, mas aos poucos as pessoas vão perceber que o sistema está melhorando." - Eduardo Paes.

Em uma coletiva de imprensa na tarde de hoje, o prefeito Eduardo Paes, a secretária municipal de transportes Maína Celidônio e a interventora do BRT Cláudia Secim responderam as questões da imprensa e explicaram as primeiras medidas tomadas.


Primeiras medidas:

Na manhã de hoje os passageiros do corredor Transoeste encontraram um pequeno alívio na ida para o trabalho, 20 ônibus comuns fizeram os trajetos Santa Cruz x Alvorada e Alvorada x Santa Cruz, numa linha emergencial com embarque e desembarque na rua Felipe Cardoso em Santa Cruz e embarque e desembarque no terminal Alvorada na Barra.


Na parte da manhã, a linha iniciou os serviços às 4h45 e finalizou às 8h30, e a linha emergencial voltou nesta tarde com os mesmos trajetos das 16h às 20h.



Segundo a interventora do BRT Cláudia Secin, amanhã 40 ônibus integrarão essa mesma linha emergencial. Essa medida faz parte da primeira fase de mudanças. Ainda segundo a interventora outras medidas estão sendo tomadas para a recuperação de ônibus que estão parados por problemas mecânicos.


Para Cláudia Secim, alguns problemas na frota podem ser resolvidos em poucos dias, outros podem demorar mais tempo. Para a prefeitura essa medida é importante para que o sistema volte a trabalhar com um número adequado de ônibus.


Eduardo Paes informou que a frota do BRT tinha cerca 400 ônibus operando quando inaugurou os seus serviços, e na manhã de ontem a frota que circulava era de cerca de 140 ônibus.


Medidas a longo prazo:

Segundo a prefeitura outras medidas devem ser tomadas durante a intervenção além da recuperação da frota, como a reabertura de estações fechadas, melhorias de infraestrutura, reforço da segurança nas estações, fiscalização sobre invasão de veículos na calha do BRT e o combate ao calote.


Os órgão municipais envolvidos são as secretarias de Ordem Pública, Conservação, Infraestrutura e as subprefeituras da Zona Oeste, Zona Norte, Jacarepaguá e Barra da Tijuca, além da CET-Rio, Guarda Municipal, Rioluz, Comlurb e Centro de Operações Rio.


Bilhetagem eletrônica:

Além da intervenção do BRT, a prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Transportes, está preparando um processo de licitação para o sistema de bilhetagem eletrônica, para ter gestão e supervisão diretas sobre o sistema no transporte público da cidade (ônibus convencionais, BRT, VLT e vans). Atualmente, a responsabilidade de operação da bilhetagem eletrônica é, por lei (Artigo 8 da Lei nº 3.167/2000), direito e obrigação dos operadores.


Com isso a prefeitura pretende ter acesso aos dados desse tipo de serviço. A Câmara dos Vereadores já analisa um projeto de lei que permite ao Município ter esse controle. Ontem (22), a secretária de Transportes, Maína Celidônio, participou de uma audiência pública na Câmara para discutir com vereadores o projeto de lei, prestar esclarecimentos e ouvir propostas sobre a medida.


A pesar das novas medidas, o que se viu em outros corredores que ainda não receberam as primeiras mudanças da fase 1, foram as mesmas imagens de superlotação e aglomeração diárias, o sistema BRT vem sendo criticado pelos usuários e diversos outros setores da população pelos problemas de sobrecarga principalmente no momento enfrentado pela cidade em relação a pandemia.

 

Conteúdo Publicitário