• Agência Lume

As Águas de Março da Renascer

Atualizado: 30 de set. de 2021


Imagem meramente ilustrativa.

Por: William Faria

 

O carnaval tem uma história secular. Vem de longe a brincadeira. No Rio de Janeiro, é mais que brincadeira. Para muitos, é coisa séria. Eu acho que me incluo nessa. Claro, não dá para afastar o prazer de pular carnaval, as ruas fervem e a gente se entrega. Mas há um espaço, chamado Sapucaí, que diversão e seriedade estão juntos. E essa coluna pretende, com seriedade - e pitadas de diversão - falar sobre o carnaval das escolas de samba.

Abro meus escritos na Lume falando sobre a Renascer de Jacarepaguá. Escola relativamente nova, hoje, frequenta a Intendente Magalhães, depois de ser rebaixada - injustamente - no longevo ano de 2020.


São as águas de março fechando o verão


Uma escola de samba representa mais que uma bandeira. Ela fala para uma comunidade, região. Representa pessoas que são ‘normais’. Durante quase um ano, as pessoas que enxergam no pavilhão de uma escola sua vida aguardam ansiosas a história que elas vão contar. Em 2011, a Renascer de Jacarepaguá contou e cantou ‘As Águas de Março’.

 

Continua depois da publicidade


 

Tendo o carnavalesco Edson Pereira assinando a estética da escola, enquanto Paulo Barros atuava como consultor, a Renascer apostou em falar sobre as águas. O enredo homenageava as oito cidades do circuito das águas, localizadas na Serra das Mantiqueiras. As águas acompanharam a escola durante todo carnaval. Desfilou sob chuva, subiu sob chuva.

A escola esperava fazer um bom desfile, mas nem de longe o título. Prova disso, não havia nenhuma festa preparada na quadra da escola. Quando tem de acontecer, acontece. O resultado foi histórico, pela primeira vez, Jacarepaguá teria uma escola de samba desfilando no grupo especial. Foram 9 décimos acima da Viradouro. Um campeonato sem contestação da Renascer de Jacarepaguá.

Veja o samba:

O amor... Que o ciúme fez chorar

Quando a montanha de Tupã aprisionou

A luz do dia como a lua desejou ô

O sol a tristeza no mar afogou

E da bela princesa tupi

Em seu soluçar jorrou

Na serra o caminho das águas para a criação

Dos rios e cachoeiras em profusão

A vida no campo desperta

Semeia um sonho e faz

Um novo tempo aflorar

Vêm da casa grande um cheiro que é bom

Da terra molhada o café a brotar

Eu sou... Felicidade eu sou... Com esse clima a me levar

Do alto as nascentes e suas magias

A diversidade é tão natural

São oito cidades em plena harmonia

Formando um paraíso sem igual

Vou mergulhar... Nas corredeiras do meu lazer

O esporte faz a emoção da adrenalina em dimensão

As águas vão rolar e escorrer pelo chão

Pra nos abençoar trazendo purificação

E lava o meu corpo, transborda em minha alma

Oh natureza de um povo divinal

És a dona das águas que emergem em março

No meu carnaval

Na fonte da vida eu vou me banhar

Berço das águas vêm saciar

A minha sede é tremenda, para a vitória chegar

Sou Renascer de Jacarepaguá.

(Compositores: Andre Kaballa / Carlos Dias / Di Bamba / Jayme Cesar / Maurinho Valle)

 

William Faria é jornalista e acredita que só o samba muda a vida.







Conteúdo Publicitário