No Maio Amarelo, Operação Lei Seca registra alto índice de casos de alcoolemia no trânsito


Foto: Reprodução site Governo do Estado do Rio de Janeiro

Dos 535 motoristas que foram abordados nas blitzes do estado do Rio, 119 estavam embriagados e foram retirados das ruas.

 

No mês em que é celebrado o movimento mundial 'Maio Amarelo', criado para chamar atenção para o alto número de mortos e feridos no trânsito, a Operação Lei Seca registrou um grande índice de registros de alcoolemia nas blitzes de fiscalização do estado do Rio. Dos 535 motoristas que foram abordados, 119 estavam embriagados e foram retirados das ruas.


Nos municípios de Queimados, na Baixada Fluminense, e Campos dos Goytacazes, no Norte do estado, os registros apontaram as maiores taxas de condutores flagrados sob efeito de álcool pela Operação Lei Seca. Duas blitzes foram realizadas em Queimados, e o percentual atingiu 28,4%. Em Campos, as ações atingiram 21,4%. A média atual do estado é de 10%.


Nas operações feitas na Estrada do Mato Alto, em Campo Grande, na Zona Oeste, 146 pessoas foram abordadas, com 23,3% de casos registrados. Já na Barra da Tijuca, 13,4% de motoristas estavam embriagados.


Dados obtidos através de um levantamento de vítimas de acidentes de trânsito feito pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), indicou que entre 2011 e 2020, 20.780 pessoas morreram em acidentes de trânsito no estado do Rio de Janeiro. Outras 363 mil se lesionaram nas mesmas circunstâncias. Logo, sete pessoas morreram e 100 se feriram, em média, a cada 24 horas.


Continua depois da publicidade

 
 

Somente em 2020, quase 1.900 pessoas morreram e mais de 17 mil se feriram. Estes últimos números representam uma média de 5 mortes e 48 feridos por dia no ano passado.


Na última década, no estado do Rio, os municípios do interior tiveram maior proporção de vítimas fatais (43,3%), enquanto a capital teve o maior número de acidentados (46,3%). Na década e no ano de 2020, os bairros Campo Grande, Cosmos, Inhoaíba, Santíssimo e Senador Vasconcelos ficaram em primeiro lugar no ranking dos bairros com maior número de vítimas fatais e não fatais. Santa Cruz e Paciência aparecem em segundo lugar na lista das localidades que registraram maior número de mortos.

A região da Grande Niterói, que envolve Niterói, São Gonçalo e Maricá, registrou uma taxa de 126,3 por 100 mil habitantes, liderando o ranking fluminense. Entre 2011 e 2020, os adultos com idades entre 30 e 59 anos foram os que mais se acidentaram, tanto de forma fatal (46,0%), como não fatal (49,0%). Os homens representaram a maior parcela de mortos (78,6%).


Na última segunda-feira (03/05), a pedido do Detran.RJ, o padre Osmar Raposo celebrou uma missa aos pés do Cristo Redentor em função das comemorações do Maio Amarelo. O monumento foi iluminado com a cor amarelo por um período de uma hora.


Fonte: www.rj.gov.br

 

Conteúdo Publicitário