top of page
  • Foto do escritorDouglas Teixeira

Funk, fofoca e zumbis: Conheça 'Viralizou'

Atualizado: 25 de abr.


A imagem mostra uma mão segurando um livro em frente a uma janela. A mão é de um adulto, com a pele clara e as unhas curtas e limpas. O gibi é de capa preta, com uma ilustração colorida de um personagem feminino, com o título "Viralizou". A janela é de vidro transparente, com uma cortina branca ao fundo.
Primeira edição do Livro, publicado pela Galera Record em 2022 | Foto: Douglas Teixeira/Agência Lume

O livro publicado em 2022 mistura terror e comédia num Rio de Janeiro acometido por um apocalipse zumbi.

 

Unindo uma narrativa que satiriza nossa realidade, uma crítica social importante e altas doses de non-sense, Juan Jullian e Igor Verde descrevem um mundo bem parecido com o nosso, só que com zumbis!


Entendemos no prólogo, como tudo começou: os vermezinhos laranjas chegam à Terra através de uma chuva de meteoros, e são eles os responsáveis por transformar Fábio, personagem que só aparece nesse começo do livro, no primeiro Zumbi da epidemia.



A partir daí, conhecemos Talitta Bumbum, funkeira carioca que domina as paradas de sucesso com o hit 'Garota Bumbum'. E ela precisa se manter na mídia: pra isso conta com o casamento com o jogador de futebol Maikon.


E é aí que entra Péu, jornalista de celebridades e ex-amigo da cantora. A amizade entre os dois acabou quando o jornalista ameaçou divulgar prints de conversas antigas deles que comprometeriam a fama de Talitta e Maikon.



E na iminência de uma demissão, Péu acaba revelando estes prints, que tem o potencial de destruir a carreira da ex-amiga. E ela não pretende deixar barato: vai tirar satisfação pessoalmente, e à caminho para o apartamento dele, o apocalipse zumbi começa e as ruas do Rio se tornam um caos.


E precisando unir forças, Talitta e Péu precisam deixar as diferenças de lado para sobreviver à terrível epidemia. O história se desenvolve na jornada do Rio até a Base Militar de Niterói, onde fica a última célula de resistência humana.


O final é surpreendente e muito incomum, foi a cereja do bolo que complementou toda a proposta da história, colocando um fim adequado e deixando um ponto de interrogação intrigante no leitor. Além é claro de exaltar a ciência e o SUS.


Igor e Juan nos transportam pra uma realidade paralela onde criticam com acidez diversas situações que aconteceram no mundo real. O livro é difícil de largar, os personagens são muito envolventes e a ação constante nos faz querer saber o que acontece em seguida.


O livro tem muitas referências a cultura pop e a eventos recentes (como por exemplo a pandemia de coronavírus), é recheado de representatividade e nos coloca pra pensar em temas importantes como amigos, família e relacionamentos.


A indicação fica pra quem adora comédia e histórias de zumbi, mas que também ama um humor non-sense e às vezes um pouco ácido. A classificação indicativa do livro é 18 anos.


Avaliação: ⭐⭐⭐⭐

 
A foto é de Douglas Teixeira: um rapaz branco, com o cabelo castanho num corte baixo, ele usa uma camisa marrom, brincos nas orelhas e um piercing no nariz. O fundo da foto é cinza.

Douglas Teixeira é publicitário e apaixonado por livros desde que aprendeu a ler. Além de escrever esta coluna, Douglas também é o Social Media e um dos fundadores da Agência Lume.







Comentarios


Conteúdo Publicitário

bottom of page